Por onde anda o Abel?

Meu sobrinho me perguntou essa semana, “tio, onde você está agora?”, dei uma risada e falei: “estou trabalhando em Maceió.

Desde que voltei de Londres tenho trabalhado na CBE – Coalizão Brasileira de Esportes, uma aliança de Ministérios Esportivos que proporciona o treinamento e a capacitação de pessoas que desejam servir pessoas do esporte (atletas, técnicos, pessoas que praticam esportes e fãs em geral). Depois de viver e trabalhar em 2 países que sediaram os dois mariores eventos esportivos do planeta chegou a hora de fazer meu dever de casa.

cbe3

Realizamos em Janeiro uma conferência internacional em Natal que contou com a participação de 350 líderes de diversas regionais do país. Tivemos também a presença de pessoas da América Latina e representantes da Coalizão Internacional. Parceiras e estratégias foram firmadas com o alvo nas Copas das Confederações e Copa do Mundo.

cbe2

Materiais estão sendo disponibilizado e treinamentos acontecerão em todas as cidades sedes e nosso desejo é de mobilizar o maior número de pessoas possível.

conferencia

Em Maio voltarei para o Sudeste (dessa vez CASADO) onde daremos continuidade ao trabalho da CBE trabalhando com o Movimento Joga Limpo Brasil e a Jogada Perfeita.

Conferência Internacional para líderes

Conferência Internacional

Conferencia internacional

Em entrevista a equipe da Coalizão Brasileira de Esportes, Pr. Jonson, coordenador geral da CBE, esclarece e nos conta tudo que precisamos saber sobre o que acontecerá em Natal.

img

É importante que você entenda bem a dinâmica da Conferência Internacional, para assim, definir melhor em que posição vai jogar.

Durante o evento, em alguns momentos teremos celebrações em que estaremos todos juntos, mas, na maior parte do tempo estaremos reunidos em cinco equipes, estrategicamente separadas, para direcionarmos o foco dos treinamentos, discussões e consequentemente produzirmos mais.
Como parte desse evento, ocorrerá também, simultaneamente, o Centro de Formação de Líderes da América Latina – CEFLAL, para treinamento de novos líderes. Desta forma, os líderes envolvidos diretamente com esporte, que ainda não participarão desse treinamento, devem marcar essa opção ao realizar sua inscrição.
Jonson Tadeu, coordenador geral da Coalizão Brasileira de Esportes – CBE, traz alguns esclarecimentos sobre a Conferência. Essas informações devem nortear você no momento em que estiver fazendo sua inscrição para o evento.

Quais serão os grupos de trabalho da Conferência e qual o perfil dos participantes de cada um deles?
Jonson Tadeu: Teremos cinco grupos de trabalho – CYCAS TOT, Proclamação e Capelania, Igreja & Esporte, Leadership Work Group e CYCAS Makers – que estarão reunidos estrategicamente por interesse, ou seja, os líderes deverão optar pelo grupo de trabalho de acordo com o ministério que desempenham.Pr. Jonson

Qual o público-alvo dos grupos de trabalho CYCAS TOT, Proclamação e Capelania e Igreja e Esporte?
Jonson Tadeu: CYCAS TOT tem como público-alvo líderes envolvidos diretamente com as estratégias de CYCAS. Proclamação e Capelania está direcionado a pessoas que desenvolvem algum tipo de trabalho com essas estratégias. No grupo de trabalho de Igreja & Esporte, reuniremos os pastores, pois, traremos esclarecimentos sobre a importância dessa estratégia e como ela atuará no processo de planejamento que estamos construindo.

Qual o público-alvo dos grupos de trabalho CYCAS Makers e Leadership Work Group?
Jonson Tadeu: CYCAS Makers tem como público-alvo os líderes que já fizeram treinamentos específicos sobre essa estratégia e realizam trabalhos e atividades contínuas através desta estratégia. Leadership Work Group reunirá os líderes regionais e estaduais da CBE e facilitadores nacionais das nove estratégias da Coalizão.

Que temas em comum serão abordados nos grupos de trabalho?
Jonson Tadeu: Além dos assuntos específicos de cada grupo, há temas comuns a todos os grupos, que darão base a todo o planejamento. Serão comuns os temas: gestão e formação de equipes, levantamento de fundos, Joga Limpo Brasil e Ame Brasil 2014. Discutiremos como será a multiplicação das Conferências Estratégicas “Cada Estado, Cada Cidade” e também as diretrizes dos conteúdos dos treinamentos CBME start. Nossas ações na Copa das Confederações também serão discutidas em todos os grupos.

Pr.JonsonQual a importância desse evento para a proclamação do evangelho por meio do esporte e que impacto trará para o país?
Jonson Tadeu: Viveremos um momento histórico em nosso país. Dezenas de líderes latino-americanos estarão conosco para receberem treinamento, facilitadores de diversas partes do mundo somarão esforços com outros brasileiros. Pela primeira vez os líderes brasileiros das 12 cidades sede da Copa do Mundo e das seis sedes da Copa das Confederações 2013 trabalharão juntos, e no mesmo lugar, no planejamento para a Copa das Confederações. Um ajuntamento como esse, por si só, já tornaria esse momento um dos mais viabilizadores e estratégicos da nossa história, mas, estamos certos de que as discussões que teremos e as estratégias que construiremos nesse tempo resultarão em uma mobilização evangelística nacional nunca vista em nosso país por ocasião de um grande evento esportivo.

Quais são os custos para quem deseja participar da Conferência Internacional 2013?
Jonson Tadeu: Cada participante terá que colaborar com R$ 385,00. O pagamento pode ser efetuado em parcelas. Para validar a inscrição, é necessário o pagamento de R$ 85,00. Posteriormente, até o dia 20 de dezembro, deve ser feito o depósito de R$ 100,00 e os R$ 200,00 restantes podem ser pagos no credenciamento em Natal.
Líderes
Qual a principal motivação para estar na Conferência Internacional 2013?

Jonson Tadeu: Quem já participou dos nossos treinamentos, quem já trabalha com ministério esportivo, sabe que vivemos o momento mais estratégico do nosso país para utilizarmos o esporte como ferramenta de evangelismo e discipulado. Em janeiro, teremos a oportunidade de pensarmos e construirmos juntos as estratégias para que a igreja brasileira faça diferença em todos os cantos desse país nos próximos anos, por meio do ministério que Deus nos deu. Eu espero que os líderes compreendam a importância desse evento para a sua vida e ministério e assim como eu, entendam que é uma honra participar desse processo.


Josemária Souza
http://www.coalizaobrasileira.com.br/

Cada estado, cada cidade

Agende essa data e não perca essa oportunidade!!!

Preparando ministros de esportes. Uma grande oportunidade que a igreja brasileira está tendo de se preparar para os eventos esportivos que acontecerão no Brasil:
* 2013 – Copa das Confederações
* 2014 – Copa do Mundo
* 2016 – Olimpíadas

A Coalizão Brasileira de Esportes está promovendo uma conferência internacional em Natal no mês de janeiro de 2013. O foco é capacitar vocacionados para trabalhar com ministérios de esportes e planejar projetos e eventos a serem desenvidos nos próximos anos no Brasil, através da igreja local.

Assita o vídeo e espalhe essa idéia!!!!

Daniel Dias pode virar em Londres maior paralímpico do Brasil

O sorriso cativante e o carisma continuam os mesmos. Nem a barba de “colocar medo nos adversários” cultivada nas últimas semanas foi capaz de mudar isso. Entretanto, o Daniel Dias que chega a Londres para disputa dos Jogos Paralímpicos é outro, bem diferente do que desembarcou em Pequim quatro anos atrás. De fã de Clodoaldo Silva, ele se transformou em ídolo. De revelação na China, ele se tornou a maior estrela de uma delegação de 182 atletas e principal condutor do país na missão de chegar ao inédito sétimo lugar no quadro de medalhas.

Com o visual alterado provisoriamente, já que o acordo com o treinador Marcos Rojo prevê cara limpa na estreia nos Jogos, quinta-feira, Daniel mergulha na piscina do Parque Aquático de Londres para dar continuidade a algo que se tornou constante em sua vida: subir ao pódio. Dono de nove medalhas em Pequim-2008 (quatro de ouro, quatro de prata e uma de bronze), o paulista de Campinas disputará oito provas na capital britânica e pode se consolidar como maior atleta paralímpico da história do Brasil no ato final de um ciclo que também inclui 11 medalhas de ouro no Parapan de Guadalajara-2011, oito de ouro e uma de prata no Mundial da Holanda-2010 e o prêmio Laureus de 2009.

– Quero representar bem o país e me sinto muito honrado por estar aqui entre atletas como Terezinha (Guilhermina), André Brasil, Clodoaldo Silva, Antônio Tenório… Pequim foi fantástico e espero que aqui também seja. Lá foi algo mais sem responsabilidade. Tinha feito um grande Parapan, mas em nível mundial eu ainda não era muito conhecido. Depois disso, foram quatro anos fantásticos. Ganhei o Laureus, o “Oscar do Esporte”, e espero carimbar essas conquistas fechando o ciclo com medalhas de ouro.

Como se não bastassem as conquistas já listadas, Daniel Dias conta ainda em seu currículo com outros oito ouros no Parapan do Rio-2007, além de três ouros e duas pratas em seu Mundial de estreia, na África do Sul, em 2006. Trajetória avassaladora de quem sequer pensava em se tornar um atleta até Atenas-2004, quando descobriu um mundo de possibilidades ao se encantar com os seis ouros e uma prata de Clodoaldo Silva.

Oito anos depois, o mesmo Clodoaldo virou adversário na classe S5 (nadadores com limitações físico-motoras) e pode ver o fã superá-lo no posto de maior medalhista paralímpico do Brasil. Atualmente, o “Tubarão das Piscinas”, que compete em quatro provas em Londres, enverga 13 pódios (seis ouros, cinco pratas e dois bronzes), assim como a ex-velocista Ádria Santos (quatro ouros, oito pratas e um bronze).

Daniel, que tem nove, pode voltar ao Brasil com 17 no total. A marca, no entanto, está longe de ser prioridade para o nadador.

– Foi tudo muito rápido (na carreira). Não parei para pensar nisso (recorde) e procuro nem pensar. Quero fazer o meu trabalho dentro da piscina. Se o meu melhor naquele momento for uma medalha de ouro, vou ficar extremamente feliz. Superar um grande atleta como o Clodoaldo será espetacular, fantástico, mas se não acontecer também vou ficar feliz. Quero focar nas minhas provas e ajudar os companheiros nos revezamentos.

Apesar do discurso humilde, Daniel Dias sabe que superar a marca de 13 medalhas em Londres é uma tendência. O brasileiro é recordista mundial em cinco das seis provas individuais que irá disputar: 50m, 100m e 200m nado livre, 50m costas e 50m borboleta, todas na classe S5. Ele ainda entra na água pelos 100m peito na SB4 – também para atletas com limitações físico-motoras – e nos revezamentos 4 x 100m medley e livre com pontuação máxima de 34 no somatório da classificação funcional dos atletas.

– Espero, sim, medalhas nas seis individuais. Não posso garantir as cores, mas vou dar o meu melhor para quem sabe sair com seis ou cinco ouros.

A primeira prova de Daniel Dias em Londres será os 50m livre, que tem as eliminatórias marcadas para a manhã de quinta-feira. Antes, porém, o nadador tem uma missão importante: será o porta-bandeira do Brasil na cerimônia de abertura dos Jogos, quarta-feira, no Estádio Olímpico.

Por Cahê Mota (http://globoesporte.globo.com)

As Olimpíadas 2012 – Brasil

É o quinto maior país do mundo em área territorial.
Tem a quinta maior população do mundo.

É a sexta maior economia do mundo.
É o maior país da América do Sul.
Maior país lusófono do mundo.
21º no quadro de medalhas dos jogos olímpicos de Londres.
Após 10 dias de jogos o Brasil ocupa a 21º colocação no quadro de medalhas. Está atrás de países como Bielorússia, Cazaquistão e Coréia do Norte.
Seremos sede dos próximos jogos olímpicos, no Rio em 2016 e pelo andar da carruagem, não veremos muitas medalhas em solo nacional.
De quem é a culpa?
Com certeza não é dos atletas, que mal ganham uma ajuda para sobreviver e mesmo assim, praticam arco e flecha, judô, atletismo, nado sincronizado e ginástica, sendo que a maior vitória de suas vidas é persistir, resistir e se entregar no esporte, pois reconhecimento mesmo, apenas da sua família.

Herói nem sempre é o que vence ou o que fica em primeiro. Herói é quem acorda cedo, faz o que ama e mal ganha para sobreviver.
Heróis são esses atletas, que gente como nós(do povo) não são valorizados, porém estão sempre na luta.Por isso sempre tenho dito: “Matamos nossas lagartas e reclamamos que que não há borboletas…”

por: Aurelio Rachid Said

Londres 2012 – a maior festa do esporte mundial

Viver num país sede de um evento esportivo na proporção da Copa do Mundo e Olimpíadas é inesplicavél. Nós, os brasileiros, teremos essa oportunidade já no ano que vem com a Copa das Confederações.

Londres está repleta de turistas nacionais e internacionais. O transporte público, as ruas, parques e estádios estão cheios de pessoas com suas bandeiras e camisetas representando sua nação.

Ontem tive o privilégio de presenciar de perto um jogo. Brasil x Grã Betanha. Foi um presente dado por um amigo, um desses amigos que lembram de você quando aparece uma oportunidade dessas.

Com mais de 70,000 pessoas no estádio do Wembley, o time feminino do Brasil se sentiu precionado com a torcida (que fez muito barulho ao ver o gol nos primeiros minutos do jogo).

Pra mim foi bom poder sair da correria do trabalho e aproveitar de perto tudo que tem acontecido por aqui.

Nunca fui atleta,  mas acompanho sempre que posso alguns jogos e, dessa vez mais de perto do nunca…

BandSports terá base móvel em Londres

Canal terá um ônibus na capital inglesa e outro em São Paulo para fazer a cobertura dos Jogos Olímpicos.

O canal Bandsports comprou dois ônibus ingleses – aquele vermelho, de dois andares –, fez as adaptações necessárias e vai utilizá-los na cobertura e na divulgação das Olimpíadas de Londres.

Um veículo ficará na capital inglesa, estacionado cada dia num ponto turístico da cidade, e será utilizado como estúdio principal do canal para a transmissão de jornais, realização de entrevistas e debates. Câmaras, apresentadores e entrevistados ficarão instalados no segundo andar do veículo, que foi adaptado para fazer as transmissões ao vivo.

Os estúdios do centro de imprensa de Londres serão usados apenas de forma alternativa, como instrumento de apoio. “Desse modo, vamos sempre mostrar a cidade ao vivo e pulsante durante as Olimpíadas”, comenta Elia Jr., que será o âncora do ônibus londrino. Ele conta que esse esquema de estúdio itinerante só foi possível porque houve total apoio da VisitBritain, a agência inglesa de turismo.

O segundo veículo em São Paulo vai circular pela cidade durante todo o período das Olimpíadas, com o objetivo de divulgar o canal. O busão inglês já está na cidade, pronto para sair às ruas.

Equipe

Os narradores principais do BandSports serão Luciano do Vale e Oliveira Andrade, recém-contratado. A equipe de comentaristas será ampliada, com a contratação de vários atletas e técnicos, como Marcelo Negrão (campeão olímpico 92 de vôlei) e Cléberson Yamada (técnico de atletismo). Os principais apresentadores da canal  farão seus programas e jornais diretamente de Londres. No total, cerca de 200 profissionais vão trabalhar exclusivamente para as Olimpíadas, instalados em Londres e em São Paulo.

Com o slogan “Bandsports, muito além do esporte”, a campanha publicitária preparada para marcar as transmissões das Olimpíadas terá vinhetas com depoimento de oito atletas olímpicos: Maurren (atletismo), Leandro Guilheiro (judô). Marcelinho Machado (basquete), Marta (futebol), Henzo (esgrima), Esquiva (boxe), Marilson (Maratona) e Hugo Oyama (tênis de mesa).

fonte: http://www.band.com.br/esporte/olimpico/