Uma viagem a Ouro Preto

ouro_preto

Uma fabulosa e linda cidade setecentista encravada num vale profundo das montanhas mineiras.

Fascinante… Ouro Preto ressurge como uma visão, uma miragem em meio à densa névoa matutina. A sensação para os visitantes de primeira viagem é empolgante. De repente parece que a viagem no tempo é uma realidade.

DSC04405

Não se sabe ao certo quem descobriu a primeira pedrinha de ouro. Foi algum dia entre 1693 e 1698. 

Ouro Preto é um dos principais destinos turísticos de Minas. Nos finais de semana e feriados prolongados a cidade fica repleta de turistas. Excelentes hotéis surgiram para atender a demanda. De uma forma geral conciliam o esplendor barroco com os confortos e facilidades da vida moderna.

DSC04406

Principais Atrações

Igreja de São Francisco de Assis
Igreja Matriz de Nossa Senhora do Pilar
Matriz de Nossa Senhora da Conceição de Antônio Dias
Museu da Inconfidência
Museu do Oratório
Museu de Mineralogia
Casa dos Contos

DSC04481

Eu de novo no navio, quem diria…

Essa foi mais uma aventura por esse mundo a fora…

…dessa vez uma experiência diferente para mim.

A primeira parte da minha viagem até a Alemanha (com parada na Holanda) me fez lembrar muito meu tempo como tripulante no Silver Sea (Navio de Cruzeiro Marítimo).

Saímos de Londres de busão por volta das 10 da noite. Tempo frio, ônibus cheio e muito chão pela frente. Viajar de ônibus pela Europa não é tão confortável quanto no Brasil, não importa a distância. Os ônibus aqui não são nem um pouco confortáveis. Mas pelo menos em algumas horas de viagem você está em outro país e numa cultura completamente diferente.

Essa viagem foi para prestigir um grande amigo alemão que conheci no Brasil há cerca de 12 anos atrás, pela frente 12 horas viagem até a minha primeira parada, Amsterdã onde me encontrei com outro amigo. Mas isso eu conto no outro post.

Foram aproximadamente 2 horas de Londres até chegar em Dover, no suldeste da Inglaterra. Enquanto o ônibus descia pela estrada rumo ao porto pude avistar diversos caminhões estacionados em um pátio gigante, alguns navios e o paredão, o famoso Cliff – o penhasco branco inglês, era hora de dizer tchau para o Reino Unido.

Fomos informados que deveríamos descer do ônibus e passar pela imigração Francesa antes de embarcar no ferry boat. Com sono entreguei meu passaporte para o Oficial da imigração que me perguntou com um forte sotaque francês: “está indo a passeio?”.

De volta ao ônibus embarcamos no que eles chamam aqui de Ferry, o que me fez lembrar e muito do meu tempo como tripulante no Navio.

No deck inferior cerca de 5 ônibus cheio de turistas e alguns outros caminhões, carros e motohomes, cada um com seu destino distinto.

Desci do ônibus e comecei a caminhar pelo navio enquanto cada andar me fazia lembrar da minha casa flutuante em 2006, o Silver Cloud.

Depois de 6 meses embarcado num navio de cruzeiro sua vida muda, e como muda. Aquela lata de sardinha gigante vira a sua casa, seu trabalho, sua diversão.. e as vezes seu maior pesadelo.

Aproveitei para dar uma volta no terraço, sentir o cheiro de marezia e assistir a chaminé deixando o rastro de fumaça para trás enquanto o capitão acionava o som inesquecível do navio ao partir.

Mas dessa vez foi diferente, apenas por 2 horas e como passageiro encontrei uma sala no deck 5 e me acomodei numa poltrona confortável.

O balanço era é mesmo, as cortinas, o cheiro, tudo ali me lembrava o Silver Sea, era como seu eu tivesse voltado no tempo. Mas por apenas algumas horas…

É, eu sei, nada como o tempo!!!!!  kkkkkkk

De volta ao ônibus, dessa vez em terras francesas, tentei dormir um pouco, afinal o céu já estava ficando claro e eu não queria perder nada da viagem pela Bélgica e Holanda até chegar em Amesterdam, uma cidade mundialmente famosa…